Chamada de Trabalhos - Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais

De Sexta-feira, 11. Março 2011
Para Domingo, 14. Agosto 2011
Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais, nos dias 07, 08, 09 e 10 de Agosto de 2011, Salvador
GT- 16 - Religiões Afro-brasileiras e os Novos Sentidos da Diáspora no Atlântico Negro


Coordenadores: Vagner Gonçalves da Silva e Clara Saraiva



Envio de propostas até o dia 30/3/2011
Resumo:
Neste Grupo de Trabalho procuraremos desenvolver e analisar o fenômeno da dinâmica e expansão das religiões afro-brasileiras, relacionando essa expansão com a análise de alguns conceitos como transnacionalismo religioso, diáspora negra, identidade, re-africanização e questões de etnografia multi-situada. Aceitaremos comunicações que expandam em torno destas temáticas focando a reflexão sobre os fenômenos de imigração e religião e o modo pelo qual crenças, ritos, terapias e espíritos viajaram, com os seus migrantes, no seio do chamado "triângulo afro-brasileiro", tornando-se elas próprias religiões "migrantes". Trabalhos que enfoquem dinâmicas presentes em outras modalidades de religiões afro-americanas numa perspectiva comparativa também serão aceitos.

Justificativa:
O Brasil é um país em que as migrações internas sempre se ligaram aos intercâmbios religiosos; nas últimas décadas o país tem também exportado para vários outros países uma das suas variantes religiosas mais conhecidas, as religiões afro-brasileiras. Além da expansão destas religiões para os países do Prata (Argentina e Uruguai), elas têm, nos últimos vinte anos, criado extensões em muitos países da Europa, onde os líderes religiosos são brasileiros ou europeus que se iniciaram no Brasil, e os praticantes são sobretudo europeus. Terreiros de candomblé e umbanda espalham-se por Portugal, Itália, França, Alemanha e Inglaterra, integrando variantes que vão desde a umbanda, mais próxima do catolicismo e do espiritismo kardecista até ao candomblé queto na sua versão mais africana.
Se a quantidade de variantes destas religiões é grande no Brasil, ela aumenta na diáspora, em que elas se têm de adaptar a novos contextos e novos praticantes. Estas adaptações incluem as práticas terapêuticas afro-brasileiras no lado europeu do Atlântico, e as alterações conseguidas nessa passagem de entidades, espíritos e ritualistas religiosos para o cenario cultural e social europeu. Essas adaptações incluem também a questão do sacrifício animal, em que debatem questões que geram tensões, como o princípio da liberdade religiosa consagrada nas constituições dos respectivos países e as leis europeias proibindo a matança de animais fora dos locais próprios, ou as várias associações de defesas dos direitos dos animais que pugnam pela proibição destas práticas.

Local : Salvador